• Categories
  • Archives

The Robbery

The Robbery

This is not just to please. You are a victim of the system. I keep
saying that crime is a social problem. Take this. That’s all the money I’ve got home.
We’re not rich. With a little effort we could consider ourselves as being higher middle
class. You are right. One of these days we will also start stealing in order to eat. Take
this.
By

Human Rights
Budum Filho was an artist. Would the ladies like to listen to one of
the sambas he composed? Sure they would. Budum sang a Martinho da Vila samba. Algemiro
tried to unmask him but was scorned.

—Famous Ipanema Beach!

Dentro do ônibus, os turistas exclamavam "oh!" com entusiasmo. Ipanema
Beach! O motorista, Algemiro, torcedor do Vasco, morador do Vidigal, sacudia a cabeça
cada vez que ouvia a pronúncia da guia. Por que "Ipanima"? Era Ipanema com
"e". "Ipanima" era frescura de gringo.

—Vieira Souto Avenue.

—Aveniu dos bacana—completou Algemiro. E, com um certo orgulho:—Caminho
da minha casa.

—What?—quis saber uma velhinha americana de dentro do seu vestido gasoso.

—Rich people live here—explicou a guia.

Mais "ohs" entusiasmados.

—The girls from Ipanema—disse a guia, apontando as garotas da praia.

—Oh!—gritaram os turistas.

—In front of us, Pedra da Gávea, Gávea Stone—disse a guia.

—Oh!—gritaram os turistas.

—O Budum Filho!—gritou o motorista.

—Oh!—gritaram os turistas, com a freada do ônibus.

—O que foi isso?—quis saber a guia, ajeitando o chapeuzinho.

—O Budum Filho. Um pilantrão que me deve uma nota.

—Mas você não vai parar o ônibus agora para falar com…

—Ah, se não vou! Segura as pontas que eu já volto.

—Espera!

Mas o Algemiro já puxara o freio de mão e se precipitara para a rua atrás do Budum
Filho, filho do Budum Pai, bicheiro e mau-caráter. Os turistas pularam dos bancos para
acompanhar a perseguição. Em minutos o Algemiro voltava com o Budum Filho pela nuca.

—Por que aqui?—gritou a guia, sem saber o que dizer para as velhinhas.

—Quero ter uma conversa com este pilantra num particular.

—Mas aqui?!

—Calminha. É rápido.

O Budum Filho, aterrorizado, apelou para uma americana.

—Help, madame. É seqüestro.

—Help eu vou te mostrar, caloteiro.

—Who is he?—perguntou a americana, mais aterrorizada do que ele, apontando
para o Budum Filho.

—Nothing, nothing—disse a guia.—A boy from Ipanema.

—Oh!

—O que foi que ele fez?—perguntou a guia para o Algemiro.

—Eu ganhei no bicho e ele não pagou. Enrustiu na marra.

—Rélpi!—repetiu o Budum Filho.

Com a revolta dos turistas, o Algemiro se viu constrangido a largar a nuca do mauca.
Mas segurou a sua camiseta. Que tinha o nome de uma universidade americana na frente. As
simpatias dos turistas estavam com o Budum Filho.

—E a minha grana, ó calota!

—Que grana?

—Vem com essa. Vem com essa!

—Ó Algemiro, tá me estranhando? Eu ia pagar.

—Ia, não. Vai.

—Vou.

—Dívida de bicho é sagrada.

—What is it?

—Jogo do bicho. Animal game. Gambling.

—Oh!

Um americano, calça quadriculada, se apresentou para mediar. Aquilo estava atrasando a
excursão. Ele tinha pago bom dinheiro para ver as vistas do Rio. Não uma briga. Se bem
que as velhinhas, depois do susto inicial, pareciam estar apreciando o incidente entre os
nativos. O que iam ter para contar na volta!

Com a guia como intérprete, o americano propôs que procurassem uma autoridade para
resolver o caso. A proposta foi vetada pelas partes. E, mesmo, seria difícil encontrar
uma autoridade por perto.

—Autoridade neste ônibus—disse o Algemiro, sacudindo o Budum Filho com
ênfase—sou eu.

—Rélpi, mister!

—Come on, let him go—disse o americano.

—Não tem camone.

—Algemiro—suplicou a guia—vamos primeiro terminar a excursão, depois
você cuida desse assunto.

Algemiro estudou a questão. Depois concordou. O Budum Filho ficaria no ônibus, sob
custódia dos turistas, até o fim da excursão. Depois acertariam as contas. E tocaram o
ônibus.

Budum Filho sentou ao lado de uma velhinha da Minessota que lhe ofereceu um drops de
hortelã. Foi fotografado por dezessete polaróides simultaneamente. Com a ajuda da guia,
contou a história da sua vida. O seu sonho era conhecer os Estados Unidos.

—Lá não entra caloteiro!—gritou o Algemiro, mas foi silenciado pelos
protestos gerais.

Ninguém olhava mais a paisagem. Todas as atenções estavam no Budum Filho. Ele era um
artista. As madames queriam ouvir um samba da sua autoria? Claro que queriam. Budum cantou
um samba do Martinho da Vila. O Algemiro tentou desmascará-lo mas foi desprezado. Quando
o Budum Filho acabou de cantar todos gritaram "oh!" e aplaudiram muito. No fim
da excursão alguns deram gorgetas para o Budum Filho (e nada para o Algemiro). A guia
recomendou para o Algemiro que não fizesse nenhuma loucura. A companhia podia ficar
sabendo e os dois se dariam mal. O Algemiro disse que só ia ter uma conversinha com o
desgraçado. E ficou sozinho no ônibus com o Budum Filho.

—Canta um samba agora, garoto.

—Algemiro, se eu fosse você eu não me tocava.

—Ah, é?

—É.

—E por quê?

—Porque eu passei um bilhete para uma das madames, escondido.

—Que bilhete?

—Para o Carter.

—Que Carter?

—O Presidente. Se me acontecer qualquer coisa, ele vai ficar sabendo que foi
você. Respeita os meus direitos humanos senão vai ter.

—Ah é?

—É.

—Pois quem é o presidente lá é o Reagan e sabe o que que o Reagan gosta de
fazer com vagabundo?

—Não, Algemiro. Não!

The Wake
The television came. Magarra was interviewed. He talked about life’s
ingratitude. People forget too fast. The world is cruel. The camera closed in the teary
eyes of Magarra.

Quis o destino, que é um gozador, que aqueles dois se encontrassem na morte, pois na
vida jamais se encontrariam. De um lado Cardoso, na juventude conhecido como Dosão,
depois Doso, finalmente—quando a vida e a bebida e as mulheres erradas o tinham
reduzido à metade—Dozinho. Do outro lado Rodopião Farias Mello Nogueira Neto,
nenhum apelido, comendador, empresário, um dos pró-homens da República, grande chato.
Grande e gordo. O seu caixão teve que ser feito sob medida. Houve quem dissesse que
seriam necessários dois caixões, um para o Rodopião, outro para o seu ego. Já Dozinho
parecia uma criança no seu caixãozinho. Um anjo encardido e enrugado. De Dozinho no seu
caixão, disseram:

—Coitadinho.

De Rodopião:

—Como ele está corado!

Ficaram em capelas vizinhas antes do enterro. Os dois velórios começaram quase ao
mesmo tempo. O de Rodopião (Rotary, ex-ministro, benemérito do Jockey),
concorridíssimo. O de Dozinho, em termos de público, um fracasso. Dozinho só tinha dois
ao lado do seu caixão quando começaram os velórios. Por coincidência, dois garçons.

Tanto Dozinho quanto Rodopião tinham morrido por vaidade. Dozinho, apesar de magro
("esquálido" como o descrevia, carinhosamente, Dona Judite, professora, sua
única mulher legítima), se convencera que estava ficando barrigudo e dera para usar um
espartilho. Para não fazer má figura no Dança Brasíl, onde passava as noites. As
mulheres do Dança Brasil, só por brincadeira, diziam sempre: "Você está
engordando, Dozinho. Olhe essa barriga". E Dozinho apertava mais o espartilho. Um dia
caiu na calçada com falta de ar. Não recuperou mais os sentidos. Claro que não morreu
só disso. Bebia demais. Se metia em brigas. Arriscava a vida por um amigo. Deixava a vida
por um amigo. Deixava de comer para ajudar os outros. Se não fosse o espartilho, seria
uma navalha ou uma cirrose.

Rodopião tinha ido aos Estados Unidos fazer um implante de cabelo e na volta houve
complicações, uma infecção e— suspeita-se—uma certa demora deliberada de sua
mulher em procurar ajuda médica.

E ali estavam, Dozinho e Rodopião, sendo velados lado a lado. Dozinho, o bom amigo,
por dois amigos. Rodopião, o chato, por uma multidão. O destino etc.

Perto da meia-noite chegaram Dona Judite, que recém-soubera da morte do ex-marido e se
mandara de Del Castilho e Magarra, o maior amigo de Dozinho. Magarra chorava mais que Dona
Judite. "Que perda, que perda", repetia, e Dona Judite sacudia a cabeça, sem
muita convicção. A capela onde estava sendo velado Rodopião lotara e as pessoas
começavam a invadir o velório de Dozinho, olhando com interesse para o morto
desconhecido, mas sem tomar intimidades. Magarra quis saber quem era o figurão da capela
ao lado. Estava ressentido com aquela afluência. Dozinho é que merecia uma despedida
assim. Um homem grisalho explicou para Magarra quem era Rodopião. Deu todos os seus
títulos. Magarra ficou ainda mais revoltado. Não era homem de aceitar o destino e as
suas ironias sem uma briga. Apontou com o queixo para Dozinho e disse:

—Sabe quem é aquele ali?

—Quem?

—Cardoso. O ex-senador.

—Ah…—disse o homem grisalho, um pouco incerto.

—Sabe a Lei Cardoso? Autoria dele.

Em pouco tempo a notícia se espalhou. Estavam sendo velados ali não um, mas dois
notáveis da nação. A freqüência na capela de Dozinho aumentou. Magarra circulava
entre os grupos enriquecendo a biografia de Cardoso.

—Lembra a linha média do Fluminense? Década de 40. Tatu, Matinhos e Cardoso. O
Cardoso é ele.

Também revelou que Cardoso fora um dos inventores do raio laser, só que um americano
roubara a sua parte. E tivera um caso com a Maria Callas na Europa. Algumas pessoas até
se lembravam.

—Ah, então é aquele Cardoso?

—Aquele.

A capela de Dozinho também ficou lotada. As pessoas passavam pelo caixão de
Rodopião, comentavam: "Está com um ótimo aspecto", e passavam para a capela
de Dozinho. Cumprimentavam Dona Judite, que nunca podia imaginar que Dozinho tivesse tanto
prestígio (até um representante do governador!), os dois garçons e Magarra.

—Grande perda.

—Nem me fale—respondia Magarra.

Veio a televisão. Magarra foi entrevistado. Comentou a ingratidão da vida. Um homem
como aquele—autor da Lei Cardoso, cientista, com sua fotografia no salão nobre do
Fluminense, homem do mundo, um dos luminares do seu tempo— só era lembrado na hora
da morte. As pessoas esquecem depressa. O mundo é cruel. A câmara fechou nos olhos
lacrimejantes de Magarra. A esta altura tinha mais público para o Dozinho do que para o
Rodopião. Pouco antes de fecharem os caixões chegou uma coroa, para Dozinho. Do
Fluminense.

O acompanhamento dos dois caixões foi parelho, mas a televisão acompanhou o de
Dozinho. O enterro de Rodopião foi mais rápido porque o acadêmico que ia fazer o
discurso esqueceu o discurso em casa. Todos se dirigiram rapidamente para o enterro do
Cardoso, para não perder o discurso de Magarra.

—Cardoso!—bradou Magarra, do alto de uma lápide.— Mais do que
exéquias, aqui se faz um desagravo. A posteridade trará a justiça que a vida te negou!
Teus amigos e concidadãos aqui reunidos não dizem adeus, dizem bem-vindo à glória
eterna!

Naquela noite, no Dança Brasíl, antes de subir ao palco e anunciar o show de Rúbio
Roberto, a voz romântica do Caribe, Magarra disse para Mariúza, a favorita do Dozinho,
que estranhara a sua ausência no cemitério àquela manhã. Mariúza se defendeu:

—Como é que eu ia saber que ele era tão importante?

E chorou, sinceramente.

Mistress’s Day
Father’s Day also started in the United States… It was only in the
1920s that Americans established a relationship between sexual act and procreation. Until
then they believed that mothers begot children by themselves and that sex, as drinking and
playing cards, was just something men loved to do on Saturdays.

Já existe dia de quase tudo. Ou quase todos. Começou com o Dia das Mães. Um
americano, cujo nome até hoje é reverenciado onde quer que diretores lojistas se
reúnam, mas que no momento me escapa, foi o inventor do Dia das Mães. Fez isso pensando
na própria mãe. Naquela mulher extraordinária que o carregara no ventre durante nove
meses sem cobrar um tostão, que o amamentara, que o embalara em seu berço, costurara a
sua roupa, forçara óleo de rícino pela sua goela abaixo e uma vez, quando o descobrira
dando banho no cachorro no panelão de sopa, quebrara uma colher de pau na sua cabeça.
Sim, aquela mulher que se sacrificara por ele sem pedir nada de volta, mas que agora
exigia uma mesada maior porque estava perdendo demais nos cavalos. De nada adiantara o seu
protesto.

—Não posso, mamãe. Os negócios não vão bem.

—Não interessa.

—Nós só ganhamos dinheiro mesmo no Natal. No resto do ano…

E então o rosto dele se iluminara. Tivera uma idéia. A mãe não entendeu e espalhou
para os seus amigos no hipódromo que o filho finalmente perdera o juízo que tinha. Mas a
idéia era brilhante. Ele a apresentou numa reunião de varejistas naquele mesmo dia.

—Precisamos criar dois, três, muitos natais!

—Espera aí—disse alguém.—Mas só houve um Jesus Cristo.

—E os apóstolos? São doze apóstolos. Cada um também não tinha o seu
aniversário?

—Mas ninguém sabe o dia.

—Melhor ainda. Inventaremos, todo mês, o aniversário de um apóstolo. Teremos
natais o ano inteiro!

Mas a idéia não agradou. Apóstolo não tinha o apelo de vendas de um Jesus Cristo.
Mesmo assim, a idéia de criar outras datas para os fregueses se darem presentes era boa.
Era preciso motivar as pessoas. Era preciso forçar as vendas. Era preciso ganhar mais
dinheiro. Nem que fosse para a mãe perder nos cavalos.

—Aquela bruxa velha—murmurou ele.

—O que foi?

—Estava pensando na mãe.

—A mãe! É isso!

—O quê?

—A mãe! O Dia das Mães. Você é um gênio!

Foi um sucesso. Ninguém podia chamar aquilo de oportunismo comercial, pois ser contra
o Dia das Mães equivaleria a ser contra a Mãe como instituição. Isto chocaria a todos,
principalmente as mães. Que, como se sabe, formam uma irmandade fechada com
ramificações internacionais. Como a Máfia. As mães também oferecem proteção e
ameaçam os que se rebelam contra elas com punições terríveis que vão da castração
simbólica à chantagem sentimental. Pior que a Máfia, que só joga as pessoas no rio com
um pouco de cimento em volta.

*****

O Dia dos Pais também nasceu nos Estados Unidos, mas custou a aparecer devido ao
puritanismo que, sabidamente, influenciou a história americana durante anos. Foi só na
década de 20 deste século que os americanos estabeleceram uma relação entre o ato
sexual e a procriação de filhos. Até então julgava-se que as mães geravam os filhos
sozinhas e que o sexo, como a bebida e um joguinho de cartas, era apenas uma coisa que os
homens gostavam de fazer aos sábados. Instituída a proibição do sexo em todo o
território nacional—a chamada Lei Neca, uma corolária da Lei Seca—, notou-se
uma acentuada queda no número de nascimentos. Concluiu-se então que o homem era
importante. A nova importância atribuída ao homem foi veementemente combatida pelas
mulheres da época e até hoje existem bolsões de resistência. Muitas mulheres
consideram os homens perfeitamente dispensáveis no mundo, a não ser naquelas profissões
reconhecidamente masculinas, como as de costureiro, cozinheiro, cabeleireiro, decorador de
interiores e estivador. Estabelecido o papel essencial do homem na constituição da
família, no entanto, não tardou para que os varejistas lançassem o Dia dos
Pais—também chamado, por alguns homens, de Dia do Papai Aqui e por algumas mulheres,
com um sorriso secreto, de Dia do Pai Presumível. Outro sucesso de vendas.

*****

Dia da Secretária. Este também teve uma origem curiosa. Segundo algumas versões, ele
começou no Brasil, quando uma mulher descobriu na agenda do marido a seguinte
inscrição: "Flores e bombons para a Bete. Mandar entregar no motel."

—Quem é essa Bete?—perguntou a mulher com fingido desinteresse, sacudindo o
marido pelo pescoço.

—Ora, quem é a Bete. É a Dona Elizabete, minha secretária. Você conhece ela!

Conheço e sei que o aniversário dela já passou. Por que as flores e os bombons?

—Onde é que você viu isso?

—Na sua agenda.

—E você viu a data na agenda?

—O que é que tem a data?

—É o Dia da Secretária.

—Nunca ouvi falar.

—Foi recém-inventado—disse o marido, que tinha inventado naquele minuto.

—E o motel? Por que entregar no motel?

—A dona Elizabete está morando no motel, provisoriamente; até que terminem os
reparos na sua casa.

—O que houve com a casa dela?

—Você nao soube? Foi arrasada por uma manada de elefantes.

—Você espera que eu acredite nisso?!

—Meu bem, eu inventaria uma história destas?

—É, acho que não. Desculpe, querido.

—Está desculpada. Agora largue o meu pescoço.

*****

Por que não um Dia dos Amantes? Já existe o Dia dos Namorados e hoje em dia a
diferença entre namorado e amante tornou-se um pouco vaga. Quando é que namorados se
transformam em amantes? Segundo uma moça, experimentada na questão, que consultamos, se
a mulher der para o mesmo homem mais de dezessete vezes seguidas ele deixa de ser seu
namorado e, tecnicamente, passa a ser seu amante. Os critérios variam, no entanto. Em
certas regiões, só depois de dormirem juntos dois anos é que namorados se tornam
legalmente amantes. Alguns estabelecem um meio-termo razoável: dezessete vezes ou dois
anos, o que vier primeiro. Outros afirmam que a diferença está no grau de intimidade dos
dois tipos de relacionamento. Num caso, as pessoas vão para qualquer lugar onde haja
camas—apartamento, hotel, ou motel, sendo desaconselháveis hospitais, quartéis e
lojas de móveis—, tiram a roupa um do outro, às vezes usando só os dentes,
atiram-se na cama, rolam de um lado para o outro, enfiam-se os dedos no orifício que
estiver por perto, lambem-se, chupam-se, com ou sem canudinho, massageiam-se mutuamente
com Chantibom, depois o homem penetra o corpo da mulher com o seu órgão entumescido e os
dois corpos movem-se em sincronia até o orgasmo simultâneo entre gritos e arranhões.
Então se separam, suados, e vão tomar um banho juntos antes de saírem para a rua. Quer
dizer, uma coisa superficial e corriqueira. Já o namoro, não. No namoro, não apenas o
órgão entumescido mas todo o corpo do namorado penetra na própria casa da namorada
todas as quartas-feiras. Eles se sentam lado a lado num sofá quente, coxa a coxa, e
chegam a entrelaçar os dedos das mãos. Muitas vezes comem a ambrosia preparada pela mãe
da moça com a mesma colher, gemendo baixinho. Existe ainda o prazer indescritível de
roçar com o braço o lado do seio da namorada, enquanto se conversa sobre futebol com o
pai dela, um prazer que aumenta se, por sorte, estiver com um daqueles sutiãs pontudos
usados pela última vez no Ocidente por Terry Moore, em 1953. A namorada, não o pai dela.
Isto é que é intimidade.

Existem outros critérios para diferenciar namorado de amante. Amante é o namorado que
leva pijama, por exemplo. Uma maneira certa de saber que o namorado já é amante é
quando, pela primeira vez, em vez de dar um par de meias para ele no Dia dos Namorados,
ela dá um par de cuecas. E você terá certeza de que ele é amante quando alguém
sugerir que ela lhe dê um certo tipo de cuecas e ela responder, distraidamente:
"Esse tipo ele já tem…"

*****

Mas estamos falando de namorados, ou amantes, solteiros. No caso do homem casado e com
uma amante, a coisa se torna mais complicada e pouco invejável. No caso do homem casado e
com várias amantes, se torna mais complicada ainda e mais invejável. Antes de lançar o
Dia dos Amantes os lojistas teriam que fazer uma pesquisa de mercado. O que despertaria a
desconfiança dos entrevistados.

—O Senhor tem amante?

—Foi a minha mulher que o mandou?

—Estamos fazendo uma pesquisa de mercado e…

—Onde é que está o microfone? É chantagem, é?

—Não, cavalheiro. Nós…

—Está bem, está bem. Tem uma moça que eu vejo. Mas nem se pode chamar de
amante. Pelo amor de Deus! É só meia hora de três em três dias. E ela é bem baixinha.
"Amante" seria um exagero. Mas eu prometo parar!

Uma vez decidido o lançamento do Dia dos Amantes as agências de propaganda teriam que
escolher a estratégia de marketing, ou, como se diz em português, o approach.

O tom das peças publicitárias variariam, é claro, de acordo com o tipo de comércio.
As lojas de eletrodomésticos poderiam anunciar: "Tudo para o seu segundo lar".
Ou então: "Faça-a se sentir como a legítima. Dê a ela uma máquina de lavar
roupa". As joalherias enfatizariam sutilmente o espírito de revanchismo do seu
público-alvo, sugerindo: "Aquele diamante que sua mulher vive pedindo… dê para a
sua amante". Ou, pateticamente: "Já que ela não pode ter uma aliança, dê um
anel…" Perfume: "Para que você nunca confunda as duas, dê Furor só para a
outra…"

Utilidades: "No dia dos amantes, dê a ela um despertador. Assim você nunca se
arriscará a chegar tarde em casa".

Os comerciais para a televisão poderiam explorar alguns lugares-comuns. Por exemplo:
homem entra no quarto e encontra amante na cama. Atira um presente no seu colo. Isso a faz
se lembrar de uma coisa. Ela abre a gaveta da mesa de cabeceira e tira um presente
também. Ele vai pegar, mas o presente não é pra ele. Ela levanta da cama, abre o
armário e dá o presente para o seu amante escondido lá dentro. Congela a imagem.
Sobrepõe logotipo do anunciante e a frase: "Neste Dia dos Amantes, dê uma
surpresa". Hein? Hein? Está bem, era só um exemplo.

*****

As confusões seriam inevitáveis. Marido e mulher se encontram numa loja de lingerie.
Espanto da mulher:

—Você aqui?

Marido:

—Ahm, hum, hmmm, sim, ohm, ahm, ram.

—E escolhendo uma camisola!

—É que, ram, rom, ham, ahm, grum. Certo. Quer dizer..

—Você pode me explicar o que está havendo?

—Grem, grum rahm, rohm, ahn…

—Não vai me dizer que estava comprando pra mim. Há anos que não uso camisola.
Ainda mais desse tipo, preta, transparente e com decote até o umbigo.

—Eu posso explicar.

Então explique.

—Ahm, rom, rum, rahm, grums.

—Explique melhor.

—Está bem! É para mim, está entendendo agora? Para mim!

—Você? Mas…

—Há anos que eu tento esconder isto de você. Agora você me pegou e eu vou
revelar tudo. Adoro dormir de renda preta! Só me controlei até hoje por causa das
crianças!

Ela compreende. Tenta acalmá-lo. Mas ele agora está agitado. Bate no balcão e grita:

—Também quero ligas vermelhas, um chapelão e chinelos de pompom grená!

Ela o leva para casa, cheia de resignada compreensão. A amante ficará sem o seu
presente do Dia das Amantes mas pelo menos o marido terá evitado qualquer suspeita. O
único inconveniente é que terá de dormir de camisola preta pelo resto da sua vida
conjugal.

*****

Por que não um Dia dos Amantes? Você teria que tomar certas precauções, além de
jamais entrar numa loja de lingerie. Como uma ausência sua em casa no Dia dos Amantes
despertaria desconfiança, telefone para casa antes de ir festejar com a amante.

—Alô, a patroa está?

—Não, Senhor.

—Estranho. Ela costuma estar em casa a esta hora. Mas é melhor assim.—Diga
para ela que eu vou me atrasar um pouco, Estou no hospital para curativos. Nada grave. Fui
atropelado por uma manada de elefantes.

—Sim, Senhor.

Você se dirige para a casa da amante, com o embrulho do presente embaixo do braço.
Começa a pensar na ausência da sua mulher em casa. Onde ela teria ido? Lembra-se então
de que a viu mais de uma vez olhando com interesse uma vitrine cheia de cachimbos. Na
certa pensando num presente para lhe dar. E súbito você pára na calçada como se
tivesse batido num elefante. Você não fuma cachimbo!

The Analyst
from Bagé

As anyone knows, a psychoanalyst hour has 50 minutes and 50 minutes
is not always time enough to get to the heart of the matter. Gaúcho with premature
ejaculation is the one who takes half an hour. And I like to do it all according to the
almanach. I take off even my johns. Only a priest or a turtle fucks in his clothes.

Coojornal—Qual é a sua escola? Segue os ensinamentos de Freud, Jung, Reich ou
Honório Lemes?

Analista de Bagé—Pues, sou freudiano de carregar bandeirinha. Mas não desprezo
os demás. No meu consultório tenho uma guampa esculpida com as cara de Adler e Jung. A
Dona Melanie Klein também, era china de se apresentar pra mãe. Coisa mui especial. Já
esse tal de Reich, nem pra catá bosta. Reich, pra mim, é prenúncio de cuspida.

Coojornal—Qual a importância do barranco na formação do psiquismo do gaúcho?

AB—É importante barbaridade. Lá na fronteira se diz que nem toda mulher é vaca
mas toda vaca é mulher. Quando me vem paciente com histórias que o stress não deixa ele
trepar, ou a mulher é dominadora ou ele acha sexo mais nojento que mocotó de ontem, eu
diagnostico na paleta: "Esse não barranqueou". Não há coisa mais linda que
uma barranqueada a céu aberto. Desenvolve o membro e o amor à natureza. E se o vivente
me diz que na terra dele não tinha barranco, repico em cima: "E não tinha
formigueiro?" Não tem desculpa. Quando eu era guri, ia pro campo de banquinho.

Coojornal —Se um paciente sonha freqüentemente que está correndo nu, com
guirlandas de flores nos cabelos, as faces rosadas e um relatório da Farsul debaixo do
braço, qual é a terapia indicada?

AB—O sonho é fácil de interpretar. O índio velho obviamente se identifica com
as classes produtoras gaúchas, que não param de levá. Enquanto for só sonho está
especial. No dia em que ele me aparecer assim no consultório dou-lhe um tranco de virá
cadeira.

Coojornal—Ouve-se dizer que o senhor não cobra suas consultas em dinheiro.
Prefere uma porquita no esplendor da adolescência, uma ovelhita buena de retoço ou até
mesmo uma galinhazita experimentada. É verdade?

AB—Já vi que o amigo tem vocação de fresteiro, pos tá babando no meu tapete
malhado. Já se viu? Recebo pagamento em espécie, inclusive animal. Mas não costumo me
envolver emocionalmente com meus honorários. É verdade que uma ocasião um
latifundiário esquizofrênico de Dom Pedrito—era metade PP, metade PDS e ainda tinha
uma partezita PDT que atiçava as outras duas—me pagou a consulta com uma égua
castanha buenacha. Cosa pra não fazer feio em exposição ou no Motel Ipanema. Quase não
resisti mas finalmente me segurei nas bombachas. Mesmo porque a Hortência não
compreenderia.

Coojornal—A Hortênsia é a sua senhora?

AB—Não. A Hortênsia é uma pata que mora comigo. Mais ciumenta que mulher de
tenente.

Coojornal—Qual sua reação diante de uma paciente que chega cuspindo fumo nos
seus pelegos, calçando 44 bico chato e dizendo que está disputando posição na zaga
central do Guarany?

AB—Desabotôo as braguetas e boto o Careca pra fora. Se ela quer competição
então vamos ao que interessa, tchê.

Coojornal—O senhor também vai para a cama, digo, para os pelegos, com suas
pacientes?

AB—Se o caso da moça me parece ser simplesmente falta de bageense, vou. Mas
também depende da china. Se apetece, se tomou banho e outros etecéteras, pos fiz o
juramento de Hipócrates mas não sou hipócrita. E tem otra cosa. Como os amigos sabem,
hora de psicanalista tem 50 minutos e 50 minutos nem sempre é o bastante para se chegar
ao fundo da qüestão. Gaúcho com ejaculação precoce é o que leva meia-hora. E eu
gosto de fazer tudo como manda o almanaque. Tiro até as ceroulas. Quem trepa vestido é
padre e tartaruga.

Coojornal—É verdade que o analista-didata que o preparou foi o Paixão Cortes?

AB—Não. O Paixão não é analista e nem poderia ser. É um índio mui grosso.
Este é negócio pra gente sensível. Empurra essa escarradeira pra cá que tá me subindo
um daqueles de assustar buldogue. Reich! Slupt! Obrigado.

Coojornal—Qual sua explicação para o veadismo que campeia no Rio Grande?

AB—Não quero falar mal mas tem entrado muito uruguaio ultimamente… E é preciso
entender que gaúcho marica sempre houve. Tem gaúcho aí sem bigode e de costeleta curta
como estribo de anão que nem por isso é veado. Se bem que tá ALI. Marica é marica. Nem
todo mundo corta unha com facão. Agora esse negócio de homossexualismo é frescura. Uma
vez um índio velho que eu tava analisando disse que tinha se apaixonado por mim. A tal de
transferência. O Freud disse que devia se deixar sempre um revólver carregado à mão
para os casos extremos. E o índio velho era macho de três culhões, tchê. Seu perfume
era francês: o Mitterrand depois do cuper. Disse que estava apaixonado por mim. Eu disse
"Não tá". Ele disse "Tou". Eu disse "Te fecha". Ele disse
"Mas é verdade". Eu disse "Quer parar de falar e prestar atenção na
música? Tu tá pisando nos meus pés". Mas um mês depois tava curado. É verdade
que insistiu em ficar com três cabelos do meu peito para guardar num livro do Vinícius.
Mas hoje tá emprenhando até china de delegado. Não existe gaúcho homossexual. Existe
bageense que não deu certo.

Coojornal—Dizem que a bomba de chimarrão é um tal de símbolo fálico.

AB—Símbolo fálico é o cacete.

Coojornal—O Senhor já descobriu a porção mulher do gaúcho?

AB—Já. Ela se chama Noemi. Todo gaúcho tem ego, superego, id e Noemi. Eu
apresentei essa tese num congresso no México e fui vaiado, mas sustento. Inclusive,
através da análise, já penetrei no inconsciente de muito guasca grosso e fiz contato
com a Noemi. Uma vez, com o hipnotismo—fico balançando um rabo de terneiro na frente
do paciente e dizendo "Dorme, filho da mãe!"—consegui um guasca do
Alegrete que estava quase se perdendo. O causo era que a Noemi queria ir morar no Baixo
Leblon e ir à vernissage de sandália e o vivente queria ficar na fazenda curando
bicheira. Dei uns trancaço na Noemi dele e ela se aquietou. Nenhum gaúcho sai do Rio
Grande do Sul por vontade própria. É sempre a Noemi que emigra e leva o pobre junto.

Coojornal—O senhor fez seu curso em Paris, Viena, Nova Iorque ou Passo Fundo?

AB—Em Paris, Viena e Nova Iorque, com especialização em Passo Fundo.

Coojornal—Antes quem tinha lenço branco no pescoço ia prum lado e os de
encarnado pro outro, mas agora a gauchada tá praticando a tal de amizade colorida. Que
mudança foi essa?

AB—Coisas da Noemi.

Coojornal—Por falar no assunto, o senhor é maragato ou chimango?

AB—Maragato, Guarani, Internacional, Iolanda Pereira, João XXIII, sal grosso em
vez de salmoura, tango, mulher ancuda, pinga ardida, fumo de rama, filme de pirata e não
sei cagá sem ler o Correio.

Coojornal—E o tal de feminismo, que tal lhe parece?

AB—Pos sou a favor. Acho que toda mulher deve lutar pela sua igualdade, desde que
não interfira com o serviço da casa. Depois de pendurar as roupas ela pode fazer o que
bem entender.

Coojornal—Falam da existência de uma nova mulher, uma nova moral, o tal de
"novo pacto afetivo". O que é que o senhor acha?

AB—Uma vez veio um casal me consultar e trouxeram uma amiga junto. A moça era que
nem casa de esquina, dava pros dois lado. Já fiquei aqui, massageando meu fumo e cuidando
a trinca. Os três se acomodaram no divã e empeçaram a charlar. Bandalheira vai,
bandalheira vem descobri que estavam com um problema. A tal de avulsa conhecera um
sargento da brigada, Salustiano, vulgo Barril, e queria levar o bicho pra morar com os
três porque ele era autêntico, entende? Os outros ficaram com ciúmes mas logo se deram
conta que ciúmes era uma recaída burguesa e careta e estavam confusos. O que é que
achava? Virei o divã com um pontapé e corri com os três a tapa. Sou a favor de uma nova
moral mas poca vergonha, não!

Coojornal—E a tal de maconha? O senhor aprova a sua liberação?

AB—Aprovo, porque não hai como controlar. Ouvi falar que tem gente alimentando
boi com cogumelo alucinógeno e depois fumando a bosta seca. É como dizem na minha terra:
pra besteira e financiamento do Banco do Brasil, sempre se arranja um jeito.

Coojornal—Já se sabe que existe uma revolução de costumes. Ela só atinge a
classe média ou o proletariado também entrou nesse reboliço?

AB—Pela minha clientela do INAMPS posso dizer que a peonada também foi atingida
nos seus costumes. O costume de comer, por exemplo.

Coojornal—E a técnica do joelhaço, como foi descoberta?

AB —Aprendi com um médico dos meus tempos de piá. Quando a gente dizia que tava
com dor de ouvido ele dava um beliscão no braço até a gente gritar: "Tô com
saudade da dor de ouvido!" Também apresentei a tese do joelhaço num congresso de
psiquiatria. Os bundinhas quase desmaiaram. Sou um pioneiro na sua aplicação na
psicanálise.

Coojornal—O Império dos Sentidos bateu todos os recordes de permanência em
cartaz aqui em Porto Alegre. Será que a gauchada já perdeu a vergonha?

AB —Fui ver o Império dos Sentidos. Sentou uma piguancha do meu lado e no meio do
filme nós estávamos num roçado lindo no más. Na saída eu perguntei se ela não queria
continuar o filme lá em casa. Ela disse "Querer eu quero, mas onde é que a gente
vai conseguir os japonês"?

Coojornal—Como o senhor explica o fato do seu conterrâneo Milito, mais conhecido
como general Garrastazu Médici, não tê-lo convidado para suas bodas de ouro?

AB—Não me importei. Nossas famílias não se davam. Quando anunciaram que um
filho de Bagé era o mais novo presidente da Revolução, meu pai observou: "Bem
feito, quem mandou sair daqui"?

Coojornal—E a tal história de poder e sexo? Dizem que quem tem o primeiro não
faz o segundo. Qual é a sua opinião?

AB—Pelo contrário, tchê. O poder é estimulante. Quem tá no governo tem sempre
tesão de seminarista. Só muda o objeto da paixão do homem. Em vez da mulher dele, é a
nossa paciência.

Coojornal—Qual a sua opinião sobre Fernando Gabeira, Gilberto Gil, Caetano
Veloso, Eduardo Mascarenhas, o jornal Lampião, João Figueiredo e José Asmuz?

AB—O Fernando Gabeira me lembra um causo. Lá em Bagé tinha um bolicho chamado
Bago’s. Era onde a indiada se reunia pra coçar o saco, tomar cana com pólvora e contar
história de pelotense. Se passasse homem bem barbeado pela porta, lá vinham os assobios
e os gritos de "Ai, Rosinha" ou "Tá passando o Bambi". Mas voita e
meia aparecia um moço no bolicho. Bota de salto alto, cabelo mechado, brincos e passinho
de quem não quer peidá. Entrava, ia até o balcão e tomava uma Fanta uva com o dedinho
levantado. E a indiada quieta. Aí o moço rodopiava e saía. E se alguém estranhasse
aquele respeito com o veado, ouvia logo a explicação: para entrar ali daquele jeito, o
cara tinha que ser macho. Muito macho. Quanto ao Gilberto Gil, o Caetano Veloso, o Eduardo
Mascarenhas, o João Figueiredo e o José Asmuz, só posso dizer um troço, tchê. Pelo
menos dois têm a desculpa de ser baiano.

Coojornal—Uma pergunta de analista: como foi a sua infância?

AB—Uma infância normal do interior. O que eu não aprendi dentro do galpão
aprendi atrás do galpão.

Coojornal—O senhor já sentiu um bafo quente na nuca? Como reagiu?

AB—Já senti, sim. O bafo da tua mãe, que errou de lado. Tu só não leva um
joelhaço porque é da imprensa nanica e eu não sou prevalecido.

Coojornal—Calma, calma. Qual a influência da bombacha no machismo gaúcho?

AB—A maior ameaça aos machos do Rio Grande, de bageense até marchand de tableau,
são esses tais de gins. O gaúcho é o que é porque a bombacha dava espaço. Uso
bombacha até no consultório. Quando a ocasião é social uso as de enfeite do lado. Mas
nada que brilhe, senão já é bichice. Pra apertar meus fundilhos só mão de china.

Coojornal—E agora a última pergunta: o que a Sociedade Psicanalítica de Bagé
vai achar desta entrevista?

AB— A sociedade Psicanalítica de Bagé se reúne semanalmente no CTG Rincão da
Sublimação Consciente, o único lugar do Estado em que mancha de gordura na toalha de
papel é interpretada na hora. Eles me consideram uma rês desgarrada porque sou muito
radical. Só não me expulsaram ainda porque querem me capar antes.

The Wedding
Many youngster are doing this nowadays. The bride gets into the
church dancing and at the end the couple leaves dancing. You know, the Church is different
today. That’s what’s drawing the young people back to the Church. We have to change with
the times.

—Eu quero ter um casamento tradicional, papai.

—Sim, minha filha.

—Exatamente como você!

—Ótimo.

—Que música tocaram no casamento de vocês?

—Não tenho certeza, mas acho que era Mendelssohn. Ou Mendelssohn é o da Marcha
Fúnebre? Não, era Mendelssohn mesmo.

—Mendelssohn, Mendelssohn… Acho que não conheço. Canta alguma coisa dele aí.

—Ah, não posso, minha filha. Era o que o órgão tocava em todos os casamentos,
no meu tempo.

—O nosso não vai ter órgão, é claro.

—Ah, não?

—Não. Um amigo do Varum tem um sintetizador eletrônico e ele vai tocar na
cerimônia. O Padre Tuco já deixou. Só que esse Mendelssohn, não sei, não…

—É, acho que no sintetizador não fica bem…

—Quem sabe alguma coisa do Queen…

—Quem?

—O Queen.

—Não é a Queen?

—Não. O Queen. É o nome de um conjunto, papai.

—Ah, certo. O Queen. No sintetizador.

—Acho que vai ser o maior barato!

—Só o sintetizador ou…

—Não. Claro que precisa ter uma guitarra elétrica, um baixo elétrico…

—Claro. Quer dizer, tudo bem tradicional.

—Isso.

*****

—Eu sei que não é da minha conta. Afinal, eu sou só o pai da noiva. Um nada. Na
recepção vão me confundir com um garçom. Se ainda me derem gorgeta, tudo bem. Mas
alguém pode me dizer por que chamam o nosso futuro genro de Varum?

—Eu sabia…

—O quê?

—Que você já ia começar a implicar com ele.

—Eu não estou implicando. Eu gosto dele. Eu até o beijaria na testa se ele algum
dia tirasse aquele capacete de motoqueiro.

—Eles nem casaram e você já está implicando.

—Mas que implicância? É um ótimo rapaz. Tem uma boa cabeça. Pelo menos eu
imagino que seja cabeça o que ele tem debaixo do capacete.

—É um belo rapaz.

—E eu não sei? Há quase um ano que ele freqüenta a nossa casa diariamente. É
como se fosse um filho. Eu às vezes fico esperando que ele me peça uma mesada. Um belo
rapaz. Mas por que Varum?

—É o apelido e pronto.

—Ah, então é isso. Você explicou tudo. Obrigado.

—Quanto mais se aproxima o dia do casamento, mais intratável você fica.

—Desculpe. Eu sou apenas o pai. Um inseto. Me esmigalha. Eu mereço.

*****

—Aí, xará!

—Oi, Varum, como vai? A sua noiva está se arrumando.

Ela já desce. Senta aí um pouquinho. Tira o capacete…

—Essa noivinha…

—Vocês vão ao cinema?

—Ela não lhe disse? Nós vamos acampar.

—Acampar? Só vocês dois?

—É. Qual é o galho?

—Não. É que sei lá.

—Já sei o que você tá pensando, cara. Saquei.

—É! Você sabe como é…

—Saquei. Você está pensando que só nós dois, no meio do mato, pode pintar um
lance.

—No mínimo isso. Um lance. Até dois.

—Mas qualé, xará. Não tem disso não. Está em falta. Oi, gatona!

—Oi, Varum. O que é que você e papai estão conversando?

—Não, o velho aí tá preocupado que nós dois, acampados sozinhos, pode pintar
um lance. Eu já disse que não tem disso.

—Ô, papai. Não tem perigo nenhum. Nem cobra. E qualquer coisa o Varum me
defende. Eu Jane, ele Tarzan.

—Só não dou o meu grito para proteger os cristais.

—Vamos?

—Vamlá?

—Mas… Vocês vão acampar de motocicleta?

—De motoca, cara. Vá-rum, vá-rum.

*****

—Descobri por que ele se chama Varum.

—O quê? Você quer alguma coisa?

—Disse que descobri por que ele se chama Varum.

—Você me acordou só para dizer isto?

—Você estava dormindo?

—É o que eu costumo fazer às três da manhã, todos os dias. Você não dormiu?

—Ainda não. Sabe como é que ele chama ela? Gatona. Por um estranho processo de
degeneracão genética, eu sou pai de uma gatona. Varum e Gatona, a dupla dinâmica, está
neste momento, sozinha, no meio do mato.

—Então é isso que está preocupando você?

—E não é para preocupar? Você também não devia estar dormindo. A gatona é
sua também.

—Mas não tem perigo nenhum!

—Como, não tem perigo? Um homem e uma mulher, dentro de uma tenda, no meio do
mato?

—O que é que pode acontecer?

—Se você já esqueceu, é melhor ir dormir mesmo.

—Não tem perigo nenhum. O máximo que pode acontecer é entrar um sapo na tenda.

—Ou você está falando em linguagem figurada ou eu é que estou ficando louco.

—Vai dormir.

—Gatona. Minha própria filha…

—Você também tinha um apelido pra mim, durante o nosso noivado.

—Eu prefiro não ouvir.

—Você me chamava de Formosura. Pensando bem, você também tinha um apelido.

—Por favor. Reminiscências não. Comi faz pouco.

—Kid Gordini. Você não se lembra? Você e o seu Gordini envenenado.

—Tão envenenado que morreu, nas minhas mãos. Um dia levei num mecânico e disse
que a bateria estava ruim. Ele disse que a bateria estava boa, o resto do carro é que
tinha que ser trocado.

—Viu só? E você se queixa do Varum. Kid Gordini!

—Mas eu nunca levei você para o mato no meu Gordini.

—Não levou porque meu pai mataria você.

—Hmmmm.

—"Hmmmm" o quê?

—Você me deu uma idéia. Assassinato…

—Não seja bobo.

—Um golpe bem aplicado… Na cabeça não porque ela está sempre bem protegida.
Sim. Kid Gordini ataca outra vez…

—O que você tem é ciúme.

—Nisso tudo, tem uma coisa que me preocupa acima de tudo. Acho que é o que me
tira o sono.

—O quê?

—Será que ele tira o capacete para dormir?

*****

—Bom dia.

—Bom dia.

—Eu sou o pai da noiva. Da Maria Helena.

—Maria Helena… Ah, a Gatona!

—Essa.

—Que prazer. Alguma dúvida sobre a cerimônia?

—Não, Padre Osni. É que…

—Pode me chamar de Tuco. É como me chamam.

—Não, Padre Tuco. É que a Ga… A Maria Helena me disse que ela pretende entrar
dançando na igreja. O conjunto toca um rock e a noiva entra dançando é isso?

—É. Um rock suave. Não é rock pauleira.

—Ah, não é rock pauleira. Sei. Bom, isto muda tudo.

—Muitos jovens estão fazendo isto. A noiva entra dançando e na saída os dois
saem dançando. O senhor sabe, a Igreja hoje está diferente. É isto que está atraindo
os jovens de volta à Igreja. Temos que evoluir com os tempos.

—Claro. Mas, Padre Osni…

—Tuco.

—Padre Tuco, tem uma coisa. O pai da noiva também tem que dançar?

—Bom, isto depende do senhor. O senhor dança?

—Agora não, obrigado. Quer dizer, dançava. Até ganhei um concurso de
chá-chá-chá. Acho que você ainda não era nascido. Mas estou meio fora de forma e…

—Ensaie, ensaie.

—Certo.

—Peça para a Gatona ensaiar com o senhor.

—Claro.

—Não é rock pauleira.

—Certo. Um roquezinho suave. Quem sabe um chá-chá-chá? Não. Esquece, esquece.

*****

—Você está nervoso, papai?

—Um pouco. E se a gente adiasse o casamento? Eu preciso de uma semana a mais de
ensaio. Só uma semana.

—Eu estou bonita?

—Linda. Quando estiver pronta vai ficar uma beleza.

—Mas eu estou pronta.

—Você vai se casar assim?

—Você não gosta?

—É… diferente, né? Essa coroa de flores, os pés descalços…

—Não é um barato?

*****

—Um brinde, xará!

—Um brinde, Varum.

—Você estava um estouro entrando naquela igreja. Parecia um bailarino
profissional.

—Pois é. Improvisei uns passos. Acho que me saí bem.

—Muito bem!

—Não sei se você sabe que eu fui o rei do chá-chá-chá.

—Do quê?

—Chá-chá-chá. Uma dança que havia. Você ainda não era nascido.

—Bota tempo nisso.

—Eu tinha um Gordini envenenado. Tão envenenado que morreu. Um dia levei no…

—Tinha um quê?

—Gordini. Você sabe. Um carro. Varum, varum.

—Ah.

—Esquece.

—Um brinde ao sogro bailarino.

—Um brinde. Eu sei que vocês vão ser muito felizes.

—O que é que você achou da minha beca, cara?

—Sensacional. Nunca tinha visto um noivo de macacão vermelho, antes. Gostei.
Confesso que quando entrei na igreja e vi você lá no altar, de capacete…

—Vacilou.

—Vacilei. Mas aí vi que o Padre Tuco estava de boné e pensei, tudo bem. Temos
que evoluir com os tempos. E ataquei meu rock suave.

The Robbery
This is not just to please. You are a victim of the system. I keep
saying that crime is a social problem. Take this. That’s all the money I’ve got home.
We’re not rich. With a little effort we could consider ourselves as being higher middle
class. You are right. One of these days we will also start stealing in order to eat. Take
this.

Quando a empregada entrou no elevador, o garoto entrou atrás. Devia ter uns dezesseis,
dezessete anos. Preto. Desceram no mesmo andar. A empregada com o coração batendo. O
corredor estava escuro e a empregada sentiu que o garoto a seguia. Botou a chave na
fechadura da porta de serviço, já em pânico. Com a porta aberta, virou-se de repente e
gritou para o garoto:

—Não me bate!

—Senhora?

—Faça o que quiser, mas não me bate!

—Não, senhora, eu…

A dona da casa veio ver o que estava havendo. Viu o garoto na porta e o rosto apavorado
da empregada e recuou, até pressionar as costas contra a geladeira.

—Você está armado?

—Eu? Não.

A empregada, que ainda não largara o pacote de compras, aconselhou a patroa, sem tirar
os olhos do garoto:

—É melhor não fazer nada, madame. O melhor é não gritar.

—Eu não vou fazer nada, juro!—disse a patroa, quase aos prantos.—Você
pode entrar. Pode fazer o que quiser. Não precisa usar a violência.

O garoto olhou de uma mulher para outra. Apalermado. Perguntou:

—Aqui é o 712?

—O que você quiser. Entre. Ninguém vai reagir.

O garoto hesitou, depois deu um passo para dentro da cozinha. A empregada e a patroa
recuaram ainda mais. A patroa esgueirou-se pela parede até chegar à porta que dava para
a saleta de almoço. Disse:

—Eu não tenho dinheiro. Mas o meu marido deve ter. Ele está em casa. Vou
chamá-lo. Ele lhe dará tudo.

O garoto também estava com os olhos arregalados. Perguntou de novo:

—Este é o 712? Me disseram para pegar umas garrafas no 712.

A mulher chamou, com a voz trêmula:

—Henrique!

O marido apareceu na porta do gabinete.Viu o rosto da mulher, o rosto da empregada e o
garoto e entendeu tudo. Chegou a hora, pensou. Sempre me indaguei como me comportaria no
caso de um assalto. Chegou a hora de tirar a prova.

—O que você quer?—perguntou, dando-se conta em seguida do ridículo da
pergunta. Mas sua voz estava firme.

—Eu disse que você tinha dinheiro—falou a mulher.

—Faço um trato com você—disse o marido para o garoto —dou tudo de
valor que tem em casa, contanto que você não toque em ninguém.

E se as crianças chegarem de repente? pensou a mulher. Meu Deus, o que esse bandido
vai fazer com as minhas crianças? O garoto gaguejou:

—Eu… Eu… É aqui que tem umas garrafas para pegar?

—Tenho um pouco de dinheiro. Minha mulher tem jóias. Não temos cofre em casa,
acredite em mim. Não temos muita coisa. Você quer o carro? Eu dou a chave.

Errei, pensou o marido. Se sair com o carro, ele vai querer ter certeza de que ninguém
chamará a polícia. Vai levar um de nós com ele. Ou vai nos deixar todos amarrados. Ou
coisa pior…

—Vou pegar o dinheiro, está bem?—disse o marido.

O garoto só piscava.

—Não tenho arma em casa. É isso que você está pensando? Você pode vir comigo.

O garoto olhou para a dona da casa e para a empregada.

—Você está pensando que elas vão aproveitar para fugir, é isso?—continuou
o marido.—Elas podem vir junto conosco. Ninguém vai fazer nada. Só não queremos
violência. Vamos todos para o gabinete.

A patroa, a empregada e o Henrique entraram no gabinete. Depois de alguns segundos, o
garoto foi atrás. Enquanto abria a gaveta chaveada da sua mesa, o marido falava:

—Não é para agradar, não, mas eu compreendo você. Você é uma vítima do
sistema. Deve estar pensando, "esse burguês cheio da nota está querendo me
conversar", mas não é isso não. Sempre me senti culpado por viver bem no meio de
tanta miséria. Pode perguntar para minha mulher. Eu não vivo dizendo que o crime é um
problema social? Vivo dizendo. Tome. É todo dinheiro que tenho em casa. Não somos ricos.
Somos, com alguma boa vontade, da média alta. Você tem razão. Qualquer dia também
começamos a assaltar para poder comer. Tem que mudar o sistema. Tome.

O garoto pegou o dinheiro, meio sem jeito.

—Olhe, eu só vim pegar as garrafas…

—Sônia busque as suas jóias. Ou melhor, vamos todos buscar as jóias.

Os quatro foram para a suíte do casal. O garoto atrás. No caminho, ele sussurrou para
a empregada:

—Aqui é o 712?

—Por favor, não!—disse a empregada, encolhendo-se.

Deram todas as jóias para o garoto, que estava cada vez mais embaraçado. O marido
falou:

—Não precisa nos trancar no banheiro. Olhe o que eu vou fazer.

Arrancou o fio do telefone da parede.

—Você pode trancar o apartamento por fora e deixar as chaves lá embaixo. Terá
tempo de fugir. Não faremos nada. Só não queremos violência.

—Aqui não é o 712? Me disseram para pegar umas garrafas.

—Nós não temos mais nada, confie em mim. Também somos vítimas do sistema.
Estamos do seu lado. Por favor, vá embora!

*****

A empregada espalhou a notícia do assalto por todo o prédio. Madame teve uma crise
nervosa que durou dias. O marido comentou que não dava mais para viver nesta cidade. Mas
achava que tinha se saído bem. Não entrara em pânico. Ganhara um pouco da simpatia do
bandido. Protegera o seu lar da violência. E não revelara a existência do cofre com o
grosso do dinheiro, inclusive dólares e marcos, atrás do quadro da odalisca.

These crônicas were excerpted from O Analista de Bagé by
Luís Fernando Veríssimo, L & PM Editores Ltda, 1982, 136 pp. Their original names
were respectively "Direitos Humanos," "Exéquias," "O Dia da
Amante," "Entrevista com o Analista de Bagé," "O Casamento," and
"O Assalto."

Send your
comments to
Brazzil

BUY THIS BOOK
DIRECTLY FROM BRAZIL:

CDs or Books
by Keyword, Title or Author

Keyword
search

Books
Music

Full search: Books or Music

  • Show Comments (0)

Your email address will not be published. Required fields are marked *

comment *

  • name *

  • email *

  • website *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Ads

You May Also Like

The Battisti Affair Hasn’t Sated Italy’s Appetite for Doing Business with Brazil

Cesare Battisti, a member of Italy’s Armed Proletarians for Communism (PAC), lives comfortably in ...

Brazil’s Embraer Takes Its Wings to Aero India

Embraer, the Brazilian aircraft manufacturer, will participate for the third time at the Aero ...

In Brazil, Quotas and Scholarship Bring 5% More Blacks to College

The number of Afro-descendant students entering Brazilian universities in 2004 grew 5% in comparison ...

Brazil Is World’s 6th Biggest in IT, But 73% of Its Software Comes from Abroad

A survey by the Brazilian software association (Abas) reports that Brazil’s information technology (IT) ...

Brazilian Court Repeals Fines Against Veja Magazine and Daily Folha

At least fourteen media outlets in Brazil have been fined in 2008 by the ...

Brazil Gives Argentina the Ice Treatment Blaming Argentinean Bad Faith

Brazil has virtually frozen political and economic relations with Argentina following serious discrepancies that ...

Lula Asks Indonesia to Pardon Brazilian Sentenced do Death

Brazilian President Luiz Inácio Lula da Silva sent a letter asking the President of ...

LETTERS

For long considered a patrimony of Brazilian music, Francisco Buarque de Hollanda, better known ...